Sundjata
Sundjata Keita (ou Sundiata Keita, ou ainda Soundiata Keita) era o Imperador do Mali, nascido em 1190 em Niani (Reino Mandinga, atual Guiné) e faleceu em 1255. Filho de Naré Maghann Konaté (também conhecido Maghan Kon Fatta ou Maghan Keita) e Sogolon Djata (a mulher búfalo), Sundiata Keita nasceu com uma espécie de cegueira (e foi tentando vencer isso com o passar dos anos), e então, quando a curou revelou-se um grande imperador, "tanto que fundou o imperio do malí".Chamava‑ se Mari Diata; na sua língua, mari quer dizer emir, diata significa leão.
O épico de Sundjata é contado pelos griots, através da tradição oral.
A lenda conta a história de Sundiata é quase idêntica ao que realmente aconteceu. Ele venceu e virou rei e depois morreu.
Na Epopéia de Sundiata, Naré Maghann Konaté (também chamado de Kon Maghan Fatta ou Maghan o Belo) foi um rei Mandinga que um dia recebeu um caçador divino em sua corte. O caçador previu que ele se casaria com uma mulher feia, ela lhe daria um filho que um dia seria um rei poderoso. Naré Maghann Konaté já estava casado com Sassouma Bereté e teve um filho com ela, Dankaran Toumani Keïta. No entanto, quando dois caçadores do clã Traoré do reino de Do apresentaram-lhe uma mulher, corcunda chamada Sogolon, ele se lembrou da profecia e se casou com ela. Ela logo deu à luz a um filho, Sundiata Keita, que era incapaz de andar ao longo de sua infância. Apesar de sua fraqueza física, o rei ainda concedeu a Sundiata um griô. Isso desagradou Sassouma.
Com a morte de Naré Maghann Konaté (s. 1224), seu primeiro filho, Dankaran Tuman, assumiu o trono mesmo contra os desejos do rei de que a profecia de ser respeitado, pois ela recorreu ao conselho dos anciãos que negaram que um aleijado fosse rei. Depois que Sassouma Bereté ofereceu folhas de Baobá a Songolon em sinal de desdém por ela ter um filho incapaz de realizar tal feito, Sundiata solicitou uma barra de ferro do ferreiro Nounfari, que ele usou para ficar de pé e andar. De imediato Sundiata arrancou o pé de Baobá pela raíz e o prostou aos pés de sua mãe. Sundiata tornou‑se chefe de seu grupo etário; porém, perseguido por Dankaran Tuman, teve que fugir com a mãe e o irmão Mandey Bugari (Abubakar). Esse exílio (nieni na bori) durou longos anos; como nenhum chefe maninka se atrevesse a hospedá‑los, precisaram seguir para Gana: Sundiata Keita foi bem recebido em Kumbi‑Sāleh, porém acabou por se estabelecer em Mema com a mãe e o irmão. O rei de Nema, o mansa Tunkara ou Nema Farin Tunkara, admirado com a bravura do jovem Djata confiou‑lhe tarefas de grande responsabilidade.
Enquanto isso, Soumaoro Kanté, rei feiticeiro cruel de Sosso, atacou o reino mandinga, causando a fuga de Dankaran (o irmão de Sundiata). O povo oprimido então enviou uma comitiva ao exílio de Sundiata em Mema para requerer sua ajuda.
A mãe de Sundiata morre após uma noite de febre alta. Quando a comitiva chega a Mema e pede o retorno de Sundiata, Musa Tunkara fica descontente mas concorda logo depois. Houve entusiasmo entre os Maninka. Cada clã havia formado um exército, e os principais generais, como Tabon Wana (Tabon Ghana), pertenciam ao mesmo grupo etário de Sundiata. Tabon Wana chefiava uma fração dos Kamara, da mesma forma que o primo Kamadian Kamara, de Sibi (localizada entre Siguiri e Kangaba). Faoni Konde, Siara Kuman Konate e Tiramaghan Traore, chefes militares, assumiram essa causa em comum acordo: encontraram‑ se com Sundiata na planície de Sibi, e ali selaram a união de suas forças; Sundiata assumiu a direção das operações militares. Os Kamara das aldeias de Niani, Selefugu e Tigan, na margem direita do rio Níger, reunidos em torno do mansa Kara Noro, haviam sido os primeiros a se revoltar, opondo então viva resistência a Sumaoro Kanté, cuja vitória se devera unicamente à atuação do sobrinho Fakoli, general‑em‑chefe de suas tropas. A luta fora árdua, porque os soldados do mansa Kara Noro portavam armaduras de ferro; Fakoli conseguiu derrotá‑los graças à traição da rainha, que lhe entregou o próprio marido. Para celebrar essa vitória, Sumaoro Kanté organizou grandes festas em Niani, capital do mansa Kara Noro; foi então que rompeu com o sobrinho Fakoli, também conhecido como Wana ou Ghana Fakoli. Seduzido pelo talento culinário de Keleya Konkon, mulher do sobrinho, Sumaoro tirou‑ a dele. Ofendido, Fakoli atravessou o Níger com suas tropas e, num gesto de vingança, juntou‑ se aos aliados, reunidos em Sibi. Sumaoro perdia, assim, seu melhor lugar‑ tenente; no entanto, passou imediatamente à ofensiva. Após duas batalhas indefinidas, os Maninka se encorajaram. O combate decisivo travou‑ se em Kirina, lugar difícil de situar pois, segundo as tradições orais, a atual aldeia de Kirina é de fundação recente. Sabe‑ se que o exército de Sumaoro Kanté era bastante numeroso; é difícil, no entanto, sugerir qualquer cifra. Dentre seus generais estava Diolofing (Jolofing) Mansa, rei do Diolof (Wolof) e chefe dos Tunkara de Kita, também conhecido como grande feiticeiro. A cavalaria de Sumaoro Kanté era célebre: não havia como resistir a seus ataques. Mas as tropas de Sundiata Keita transbordavam de entusiasmo, e o chefe dos aliados exibia muita segurança. Sua irmã Nana Triban, que fora forçada a casar‑ se com Sumaoro Kanté, conseguira fugir de Sosoe e juntar‑ se a Sundiata; assim, ele detinha o segredo da força de Sumaoro Kanté. Enquanto Soumaoro foi anti-islamico e feiticeiro, Sundiata fez‑ se protetor dos muçulmanos. Na África antiga, a magia era inseparável de toda e qualquer ação. Sumaoro Kanté era invulnerável ao ferro; porém seu tana (totem) era o galo branco. Ele, então, forjou uma flecha com uma espora de galo branco em sua ponta. Assim, Sundiata travou uma guerra contra os Sosso. Finalmente Sundiata venceu Sumaoro na árdua Batalha de Kirina, após atingí-lo com sua flecha especial, que nulificou os poderes de Sumaoro. Logo depois, foi coroado como o primeiro governante do Império Mali. Ele logo começou a organizar o núcleo do império, apresentando ao Gbara, com uma constituição oral, Kouroukan Fouga. É dito que o rei de wolof confiscou uma remessa de cavalos comprada por Sundiata no início de seu reinado. O rei enviou peles e um mensageiro para dize-lo que ele não era caçador ou homem digno de montar a cavalo devendo fazer sapatos com as peles. Após um acesso de fúria ele voltou, dias depois, pronto para subjulgar o rei de Wolof.
Sundiata instalou- se no governo com os companheiros. Além de militares e homens de guerra, cercou? se de letrados negros pertencentes aos clãs de marabutos já referidos, cujos membros eram “primos jocosos” dos integrantes do clã dos Keita. É provável que durante seu reinado alguns mercadores árabes tenham frequentado a corte. Como já vimos, segundo Ibn Battuta, um descendente de certo Mudrik, que converteu Maridiata ao islamismo, vivia na corte do mansa Solimão. A tradição, contudo, só vê Sundiata como libertador do Manden e protetor dos oprimidos, e não como propagador do Islã. Havia dois tipos de província: aquelas que se tinham unido, desde o início, aos aliados, cujos reis conservaram os títulos – caso de Gana (Kumbi- Saleh) e de Nema –, e as províncias conquistadas. Nessas últimas, ao lado do chefe tradicional, um governador ou farin representava o mansa. Sundiata Keita respeitou as instituições tradicionais das províncias que conquistou; o caráter flexível de sua administração fazia com que o império se assemelhasse mais a uma federação de reinos ou províncias do que a uma organização unitária. Por outro lado, a existência de guarnições mandingas nas principais regiões garantia a segurança, ao mesmo tempo que servia como força de dissuasão. Foi provavelmente Sundiata Keita quem dividiu o império em duas regiões militares. “O príncipe tinha sob suas ordens dois generais: um para a parte meridional, outro para a setentrional; o primeiro chamava-se Sangar Zuma, o segundo Faran Sura. Cada um comandava certo número de caídes e de tropas”
Correm várias lendas sobre a morte do conquistador; tudo o que nos resta são hipóteses, uma vez que não há concordância entre os detentores da tradição oral. Ademais, no território mande é proibido revelar onde se encontram os túmulos dos grandes reis. Não se conhece nem cemitério nem local de inumação dos soberanos. Segundo tradição recolhida por Maurice Delafosse, Sundiata Keita teria sido flechado acidentalmente durante uma cerimônia. Outras fontes afirmam, porém, que Sundiata Keita teria morrido afogado nas águas do Sankarani, em condições que ficaram obscuras, pois sabemos que, 10 km a montante de Niani, encontra- se o lugar que tem por nome Sundiata- dun (água profunda de Sundiata). Essa parte do Sankarani é muito profunda e agitada por redemoinhos; as pirogas evitam- na. Nessa altura do rio, os Keita de Niani estabeleceram locais de culto em ambas as margens, onde os privilegiados descendentes do conquistador reúnem-se periodicamente para sacrificar frangos, carneiros, cabras e bois. Várias aldeias conservam locais de culto em memória de Sundiata Keita: em Kirina, no Níger, os “tradicionalistas” Mamissoko oferecem-lhe sacrifícios numa floresta sagrada. Em Tigan, a nordeste de Niani, existe em território kamara um enorme monte de cinzas, conhecido como bundalin, sob o qual se encontrariam calçados, uma faca e um traje de guerra que teriam pertencido a Sundiata Keita. Também é conhecido o culto celebrado a cada sete anos em Kangaba, junto ao santuário chamado Kamablon, que conteria igualmente objetos pertencentes ao conquistador. A saga do herói é declamada com o acompanhamento de árias bem definidas; essa epopeia, ou Sundiata fassa, foi composta por Balafasseke Kouyate, griot do conquistador. O canto conhecido como Boloba (a Grande Música), composto pelos griots de Sumaoro Kanté, foi adotado por Sundiata Keita como a música de todo guerreiro mandinga; isto significa que qualquer Maninka pode solicitar a um griot que o execute, seja para ouvi?lo, seja para dançá-lo. A canção conhecida por Janjon (Glória ao Guerreiro) foi composta em homenagem a Fakoli Kuruma, por seus feitos no campo de batalha; o Tiramaghan Fassa canta a bravura e as façanhas de guerra do conquistador das províncias ocidentais do Império do Mali. Duga, velha música guerreira, é bem anterior a Sundiata, sendo reservada aos guerreiros que mais se distinguiam no império.
- Keïta! l'Héritage du Griot de Dani Kouyaté, Burkina Faso, 1995

Este texto é um excerto do artigo Sundjata da enciclopédia livre Wikipédia. Na Wikipédia, está disponível uma lista dos autores.
Em pt.wikipedia.org, o artigo Sundjata foi consultado 14 vezes nos últimos 30 dias. (Versão: 08.06.2013)
Imagens referentes a Sundjata
Imagem de visualização:
Original:
Resultados da pesquisa em Google e Bing
1
>30
1
Sundiata Keïta – Wikipédia, a enciclopédia livre
Sundjata Keita (ou Sundiata Keita, ou ainda Soundiata Keita) era o Imperador do Mali, nascido em 1190 em Niani (Reino Mandinga, atual Guiné) e faleceu em ...
pt.wikipedia.org/wiki/Sundiata_Ke%C3%AFta
2
>30
2
Sundiata Keita - Wikipedia, the free encyclopedia
Mari Djata I; Songolon Djata; Sundjata Keyita; Mari Djata or "Mārī-Djāta" ( according to Ibn Khaldun in the late 14th century); The Lion King. The proper English ...
en.wikipedia.org/wiki/Sundiata_Keita
3
>30
3
Epic of Sundiata - Wikipedia, the free encyclopedia
In the "Epic of Sundiata" (also spelled Son-Jara or Sundjata) Naré Maghann Konaté (also called Maghan Kon Fatta or Maghan the Handsome) was a Mandinka ...
en.wikipedia.org/wiki/Epic_of_Sundiata
4
>30
4
Sundjata story
Now listen to the story of Sundjata, the Lion King of Mali, as it was told from time beyond memory. Sundjata, the father of the bright country, the master of a ...
faculty.washington.edu/rhudson/NCWRI/Sundjata.pdf
5
>30
5
Sundjata K Keita (SundjataKKeita) on Twitter
The latest from Sundjata K Keita (@SundjataKKeita). I'm preparing and organising for the coming of 2 billion Afrikans in this century. All who identify as ' black' or ...
twitter.com/SundjataKKeita
6
>30
6
The Stronghold Rebuilt: The Epic Of Sundjata
25 Apr 2012 ... Introduction The Epic of Sundjata is a West African tale that tells the story of the rise to power of Mali's greatest king, Sundjata. Sundjata was an ...
hordesofthethings.blogspot.com/2012/04/epic-of-sundjata.html
7
>30
7
Turma 73: Sundjata o principe Leão
30 jul. 2012 ... Nome do livro : Sundjata o Principe Leão Autor do livro : Rogério Andrade Barbosa Editora : PNBE O livro fala sobre uma criança que é filha ...
josejusto73.blogspot.com/2012/07/sundjata-o-principe-leao.html
8
>30
8
Epic of Sundjata - Central Oregon Community College
The version of the Sundjata epic offered by African Odyssey Website [see below] relies principally on the story as told by Djeli Mamadou Kouyaté, from the ...
web.cocc.edu/cagatucci/classes/hum211/CoursePack/coursepackpast/sundjata.htm
9
>30
9
Samory Sundjata - YouTube
Samory Sundjata added 1 video to a playlist 2 months ago. Thumbnail 25 videos ... Samory Sundjata added to Learn to play and liked 2 months ago. 59:56 ...
www.youtube.com/user/samorysundjata
10
>30
10
Personal Strengths: Ender Vs. Sundjata - Yahoo! Voices - voices ...
21 Dec 2009 ... Sundjata, the hero from an old African legacy, and Ender, the protagonist from the sci-fi novel Ender's Game, are two legends in terms of ...
voices.yahoo.com/personal-strengths-ender-vs-sundjata-5101175.html
Resultados da pesquisa para "Sundjata"
Google: aprox. 384.000
Sundjata na Ciência
Império do Mali – Wikipédia, a enciclopédia livre
Em razão de conflitos palacianos, Sundjata se refugiou fora do país, mas retornou .... enviou estudiosos para o Marrocos, para estudar na universidade de Fez.
Qwika - Sundiata Keita
Sundjata é conhecido também pelo nome Sogolon Djata. ... Pdf: Guia a Sundiata : Um epic de Mali velho da universidade de Boston o africano estuda o centro ...
Jorge Sundjata Sissoco | Facebook
Join Facebook to connect with Jorge Sundjata Sissoco and others you may know . ... Hop Tuga, Net-Empregos, Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, ...
O papel do herói-mito em Viva o povo brasileiro e ... - Google Livros
O papel do herói-mito em Viva o povo brasileiro e Sundjata ou a epopéia mandinga: identidade ... Original de, Universidade da Califórnia. Digitalizado, 16 Fev ...
Civilizações da Antiguidade/Mali - Wikilivros
Mari Djata (o Leão do Mali) assim era chamado Sundiata Keita, dividiu o império ... enviou estudiosos para o Marrocos, para estudar na universidade de Fez.
O papel do herói-mito em Viva o povo brasileiro e Sundjata ou a ...
Originally presented as the author's thesis (doctoral--Universidade do ... de João Ubaldo Ribeiro e Sundjata ou a epopéia mandinga de Djibril Tamsir Niane.
[PDF]Versão de Impressão
figura de um herói fundador, partindo da análise da trajetória de Sundjata ... historiador senegalês, nascido na Guiné, que lecionou na Universidade de Dakar.
Quem é Naiana Sundjata | peeepl.br.com
Naiana Sundjata Dados Pessoais que encontramos: Naiana o endereço é , os detalhes de ... Africana Womanism – O outro lado da moeda « Universidade .
Pacers fecha contratação de Sam Young e Sundiata Gaines ...
7 set. 2012 ... Pacers fecha contratação de Sam Young e Sundiata Gaines ... O formando da Universidade da Georgia defendeu anteriormente outras quatro ...
[PDF]Degustação do Livro.
Sundia- ta chegou no seu carro e levou-me a Howard, a universidade negra de maior reputação etc. Ibrahim K. Sundiata era diretor do departamento de ...
livros referentes ao termo Sundjata
Sundjata
Sundjata
Rogerio Andrade Barbosa, 1998
índice Tombuctu 7 O Velho Contador 11 Sundjata e Sumanguru 13 O Incrível Nascimento de Sundjata 15 O Sonho de Sumanguru 19 Os Adivinhos Descobrem o Paradeiro de Sundjata 23 Sundjata é Deserdado pelo Pai 25 A Infância de ...
African Americans in Minnesota: Telling Our Own Stories
African Americans in Minnesota: Telling Our Own Stories
2000
After he learned to walk, Sundjata continued his studies. The griot Fasseke wasn' t his only teacher. His mother told Sundjata and his friends stories about the plants and the animals in the forests. Older men in the village taught Sundjata how to ...
Famous People of the Middle Ages
Famous People of the Middle Ages
Donna Trembinski, 2006
Sundjata. (ca. 1215-1255). Great empires also existed in medieval Africa. Sundjata, whose name means ... In creating his empire, Sundjata brought together the tribes of northwestern Africa, established a new capital, and founded cities that ...
Desenvolvimento de consultas Google


Registos de blog referentes ao termo
Sundjata
Postindustrial Ethics - Morality: Pennsylvania Judge A Thief...Steals Cocaine From Criminal Cases
drsundjataatwvsu.blogspot.com/2013/05/pennsylvania-judge-thiefsteals-cocaine.html
Turma 73: Sundjata o principe Leão
Nome do livro : Sundjata o Principe LeãoAutor do livro : Rogério Andrade BarbosaEditora : PNBEO livro fala sobre uma criança que é filha de uma das esposas do rei,ela escondida fugiu com o bebê ,o rei que não sabia de nada,que no final do livro o rei adota o SundjataO livro acontece em florestas,nos castelos,na aldeia de Sundjata,os personagens principais do texto são Sundjata,a mae dele e o rei,a história gira em torno deles e se desencadeia com o crescimento de Sundjata. O O livro se destaca quando Sundjata começa a crescer e vira guerreiro ,ele fica grande e forte.
josejusto73.blogspot.com/2012/07/sundjata-o-principe-leao.html
novos guerreiros para o exército de Sundjata Keita | Trezentos
“se nóis chega, sem glock, nove não precisa é só no psico / a frieza do nosso olhar já planta o medo nos bico / os vidro sobe, quem deve se apavora / pensando: se eles quisessem se vingar da escravidão agora?!”, trecho da letra SOLDADO SEM BANDEIRA – Emicida Fiquei uma cara sem ouvir rap de são paulo, pois julguei fracasso na missão, de quem se vendeu pro inimigo por dinheiro e privilégios de uma sociedade que não cabe a gente do jeito que nós somos. Foi continuidade de outros fracassos, das lideranças do movimento negro que seguem a linha de esquerda (ou quem discute na pauta da direita e esquerda, ainda que contra) que só fala do político e esquece do econômico e do afetivo, um projeto de sociedade que respeito a diversidade étnico-racial, de tempos, espaços, culturais… onde a diferença não seja argumentos para tirar proveito econômico ao estabelecer um inferior e superior.
www.trezentos.blog.br/?p=4542
Class Blog: Historical Connections to Sundjata's Story
What are some of the historical connections you can make between Sundjata's and West African history?.
kevberad.blogspot.com/2012/12/historical-connections-to-sundjatas.html
The Stronghold Rebuilt: The Epic Of Sundjata
Introduction The Epic of Sundjata is a West African tale that tells the story of the rise to power of Mali's greatest king, Sundjata. Sundjata was an historical figure, born in about 1210AD.
hordesofthethings.blogspot.com/2012/04/epic-of-sundjata.html
TERRITÓRIO AFRICANO: "Ouça a voz" de "Sundjata Dikembi Keita" - UCPA 10 - 05/2003
Uma canção dizia liberdadeUma canção dizia coragemUma canção dizia não desistaUma canção dizia levante novamenteUma canção dizia não pense que está sóUma canção dizia África ó minha mãeUma canção uma lágrima no chão.
territorioafricano.blogspot.com/2012/02/ouca-voz-de-sundjata-dikembi-keita-ucpa.html
Penis Myths | Tell Me Why I'm Wrong
race relations, culture, history, politics, sex, gender, humor
tellmewhyimwrong.wordpress.com/2011/04/22/penis-myths/
how spoofy.: ender vs. sundjata (P) (L)
forewordin seventh grade language arts, we read ender's game by orson scott card and the epic of Sundjata, an oral tradition from mali, africa. the class was assigned an essay comparing and contrasting the two protagonists.
howspoofy.blogspot.com/2009/10/ender-vs-sundjata-p-l.html
Sundjata: Reader’s Response 1 | World Literature
What are three things that you learned about the Malinke culture from reading the myth of Sundjata? What one event or character in the myth surprised you?
blogs.cordovasd.org/worldlit/2010/11/05/sundjata-readers-response-1/
SUNDJATA IN ACTION | Flickr – Compartilhamento de fotos!
Sundjata IN ACTION
www.flickr.com/photos/mrblackpcs/3469857939/
123